13 novembro 2007

Cemitério da Recoleta

Na última sexta-feira, saí com um grupo de alunos da Academia Buenos Aires, a escola onde estou dando aulas de português, para fazer um passeio ao Museo Nacional de Bellas Artes (sala de antropologia) e depois ao Cemitério da Recoleta.
A visita ao museu foi muito interessante, principalmente porque estávamos acompanhados de uma guia que sabia tudo sobre a história da arte na américa latina. Confesso que sem as explicações dela a visita teria sido muito menos interessante.
Depois do museu, fomos ao Cemitério da Recoleta. Vocês se lembram que eu disse uma vez que achava esquisito esse negócio de usar um cemitério como ponto turístico? Pois é... continuo achando. :-))) Mas com a guia foi bem interessante pois ela nos contou a história do cemitério e que somente os ricos eram enterrados alí, além das diferentes artes e materiais utilizados nas tumbas e da disputa que havia entre as famílias para ver quem fazia a maior e a mais chique. Existem túmulos que possuem até teto especial para a neve e outros que são praticamente umas mansões, com subsolo e cadeiras de luxo para que as famílias se sentem para rezar. Houve também um atentado à bomba durante o enterro de um militar (que esqueci o nome. Desculpem!) onde colocaram uma bomba no corpo do cara e a explodiram durante o enterro. Parte do cemitério foi destruída.
Eu fui ao passeio pensando na oportunidade que teria para falar o espanhol mas a galera só falava inglês! Acabei falando mais com a guia e com os outros eu até tentei falar em espanhol, mas estava difícil de eles me entenderem... o espanhol deles estava bem básico e alguns ainda nem tinham começado o curso. Daí foi o jeito desenferrujar o inglês mesmo. Como a guia só falou em espanhol, afinal a proposta do passeio era ouvir essa língua, eu posso imaginar que meus colegas tenham achado o passeio bem menos interessante do que eu achei. :-(

Cemitério da RecoletaCemitério da Recoleta
Cemitério da RecoletaCemitério da Recoleta
Cemitério da RecoletaCemitério da Recoleta
Cemitério da RecoletaCemitério da Recoleta
Cemitério da RecoletaCemitério da Recoleta
Cemitério da RecoletaCemitério da Recoleta - Evita Peron
Cemitério da Recoleta - Evita PeronCemitério da Recoleta - Evita Peron

Outro link interessante: Buenos Aires Total.

7 comentários:

  1. Eu não gosto de cemitérios. :)

    ResponderExcluir
  2. Nota-se um pouco da época em que os argentinos podiam gastar aos tubos. Tive esta sensação na Universidad de Cuyo, em Mendoza.

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  3. Chris, você dormiu bem à noite? (rs*) Beijus

    ResponderExcluir
  4. Isso mesmo, Márcio. Mas eram poucas as famílias que tinham dinheiro naquela época. Apenas 60 famílias possuíam o campo, que é onde hoje estâo a Recolera e Palermo.
    Hahaha. Luma, eu dormi bem sim. Os fantasmas não vieram me perturbar, não. Mas confesso que lá no cemitério eu não fiquei muito à vontade. Eu tinha a sensação de que estavam me observando... :-))

    ResponderExcluir
  5. Que lindas as fotos !
    Tão solenes e elegantes !
    ADOREI, Chris !

    ResponderExcluir
  6. As fotos ficaram ótimas, Chris!

    Eu não gosto dos cemitérios, mas talvez numa visita assim, digamos, educativa, eu achasse bem interessante. Poxa, e essa coisa de disputarem a tumba mais bonita? Campeonato de jazigo? Pelo menos, isso rendeu belas obras de arte ao ambiente um tanto mórbido dos cemitérios...

    Beijocas!!!

    ResponderExcluir
  7. Jôka, obrigada! :-)
    Dani, pois é. Assim foi mesmo interessante... e realmente este campeonato é intrigante, não? Pra mim, é só um exemplo de como os argentinos são convencidos. :-)))) E que gostam de demostrar grandeza. :-)))))) Chega a ser engraçado.

    ResponderExcluir