13 outubro 2011

O dia em que meu coração quase saiu pela boca

Hoje, chegando na escola para buscar a Ju, me deparei com dois caminhões de bombeiros enormes, na porta da escola. Com aquelas luzes piscando e tudo!
Desci do carro correndo enquanto o marido estacionava o carro e no pequeno tempo que gastei do carro até a recepção da escola, fui pensando que aquilo não podia ser bom, mas ao mesmo tempo, pensei que poderia ser alguma demonstração, afinal de contas esta semana eles estão ensinando os cuidados que devemos ter em caso de acidentes, o que fazer, falando sobre os médicos, bombeiros, etc... e ainda, ao mesmo tempo, pensando que aquilo tudo era demais para ser uma apresentação.
Me deu branco, esqueci a senha da porta, lembrei... e quando consegui finalmente entrar, acho que fiquei branca, transparente! Pois vi vários bombeiros, uma maca e alguns equipamentos. A diretora foi logo falando que não era nada, que estava tudo bem. Vi que atendiam a um menino, que me pareceu bem, apesar de meio pálido e cansado... mas vi que não era nada grave demais. Pelo que entendi, ele teve uma convulsão, que não foi a primeira vez, pois logo depois a mãe chegou e falou que acontece quando a temperatura dele sobe muito rápido...
Ficou tudo bem.
Mas que tomei um baita susto, tomei!
Nunca tinha visto nada assim no Brasil. Estudei com um menino que tinha convulsões o tempo todo e sempre quem socorria eram os professores ou até mesmo os próprios alunos, amigos do menino.
A princípio, achei meio exagerado, mas fiquei mais tranquila pois vi que em caso de necessidade, o socorro vem e é eficiente. E que a escola está bem preparada.

4 comentários:

  1. Porque será que a gente sempre pensa o pior? Acho que estamos vivendo em constantes notícias ruins e isto faz com que pensemos negativamente. Ainda bem que foi só um susto. Amém!

    ResponderExcluir
  2. Até eu fiquei nervosa...nossa!!!! Ainda bem que tudo não passou de um susto!

    Bjus

    ResponderExcluir
  3. Oi, Chris, lendo o seu comentário no post abaixo, queria dizer: não se sinta um fracasso! Pelos textos que vc escreve a gente vê que mãezona vc é e o qto se esforça para oferecer à Julia uma infância saudável e feliz. Talvez o que esteja faltando é um jeitino, uma manha... Tem um médico americano que escreveu um livro bem legal sobre como lidar com a birra das crianças. Com a Sofia dá certo às vezes, quem sabe é um caminho pra vcs?(Tem um vídeo tb, que ilustra melhor do que o livro como vc deve se comportar):
    KARP, Harvey: The Happiest Toddler on the Block: How to Eliminate Tantrums and Raise a Patient, Respectful, and Cooperative One- to Four-Year-Old
    http://www.amazon.de/Happiest-Toddler-Block-Cooperative-Four-Year-Old/dp/0553384422
    Bjs,
    Ione

    ResponderExcluir
  4. Eu até tentei pensar positivamente, Nice. Mas com todo aquele cenário de filme, foi meio difícil mesmo. :-))) Bjs!
    ---------------------------------------------------
    Nossa, foi mesmo, Sandra. Ainda bem! Bjs!
    ---------------------------------------------------
    Ione, obrigada pela dica! Vou dar uma olhada neste livro e procurar o vídeo que você falou. Bjs!

    ResponderExcluir