26 outubro 2005

"Brasília, capital da esperança"

Acho que a Paula não gosta muito de Brasília. Mas eu entendo, às vezes eu também não gosto.
Gostar de Brasília exige um algo mais. Um acréscimo que talvez só os verdadeiros candangos, nascidos lá de verdade é que conseguem enxergar. Algo que vá além daquelas ruas largas e vazias que te dão uma tremenda sensação de solidão, daquela vegetação seca, daquele clima sufocante, daquela ausência de opções de lazer, daquele clima formal que a responsabilidade política exige da cidade, da fama de corruptos, pessoas que gostam de passar todos para trás e mal educados que os brasilienses têm. Fama injusta, faço questão de dizer aqui. Estes corruptos, espertinhos e mal educados não são verdadeiros candangos. Brasília é uma cidade que abriga gente de todo canto e que, talvez por isso mesmo, ainda não encontrou sua identidade própria.
A cidade tem tentado... nos últimos quatro anos surgiram alguns barzinhos convidativos, alguns restaurantes que valem a pena... já existe até uma tentativa de balada brasiliense. Acho que ela consegue.
Para mim, o algo mais dá uma listinha razoável:
  • minha família

  • a feijoada das minhas tias

  • o feijão tropeiro da minha vó

  • os sanduíches do Marieta

  • a torta de leite condensado daquela confeitaria na 105 sul (eu acho, vocês já sabem que tenho problemas com endereços)

  • o restaurante italiano da Asa Norte

  • o galeto da Asa Norte

  • o amanhecer mais lindo que já vi, com o céu avermelhado

  • aquele anoitecer deslumbrante, misturando o laranja e o azul, com detalhes em amarelo

2 comentários:

  1. Belíssima esta imagem, e quanto á feijoada acho que já lhe sinto o cheiro... que delícia.

    Parabéns pelo excelente blog.

    ResponderExcluir
  2. Oi, José! Bem vindo ao blog.
    A foto é linda, né? Foi a minha irmã que fotografou. A feijoada das minhas tias é a melhor que já comi, e olha que já comi muitas! :-)))

    ResponderExcluir